0800 70 45670 [email protected]
Dicas para montar o planejamento da sua viagem de pesquisa de moda

Dicas para montar o planejamento da sua viagem de pesquisa de moda

No mundo fashion, ficar parado é estar estagnado, literalmente. Quem não vê de perto o que rola no mundo, não sente a temperatura das ruas e nem o toque de outras culturas, não consegue entender a verdadeira linguagem das tendências. Por isso, as viagens de pesquisa de moda são tão importantes.

Pesquisas internacionais são fontes riquíssimas para agregar mais conhecimento. Além de apresentar o que está sendo consumido em outros países, estar imerso em uma outra cultura é de grande valia para ampliar o olhar e trazer insights de todos os lados.

A pesquisa é algo fundamental para trazer bagagem e conteúdo, não apenas para suas coleções, mas também para ampliar o repertório do profissional, seja estilista ou desenvolvedor de produtos. Portanto, quanto mais vivências e experiências você, profissional da moda carregar, maior será seu poder de criar e realizar conexões relevantes sobre diversos assuntos.

No entanto, um bom planejamento é essencial para aproveitar bem todas as oportunidades e criar diferenciais incríveis na sua coleção de moda. Pensando nisso, a Haco foi buscar quem entende do assunto.

Agora você vai conhecer as dicas exclusivas em parceira com a Haco das consultoras Daniela Feldens e Gabi Domingos, da Loupe Brands & Co, para tornar sua viagem de pesquisa de moda um sucesso!

1 – Elabore uma boa estratégia de viagem de pesquisa de moda

Pensar antes de agir é sempre fundamental. Por isso, o profissional deve ter certeza de qual o objetivo da viagem de pesquisa de moda para ser o mais assertivo possível.

1 – Elabore uma boa estratégia de viagem de pesquisa de moda

Defina o foco da pesquisa e se pergunte: “O que a pesquisa deve trazer de retorno?”. Produto, cartela de cores, estampas, modelagens, novos tecidos, vitrine, embalagens, tema de coleção de moda, tendências de tecnologia e varejo. Faça uma lista.

Essa lista vai servir para que você não perca o foco durante a viagem de pesquisa de moda e volte para casa com o que realmente importa. Claro que novas ideias podem (e devem) surgir durante o processo, agregando ainda mais valor à sua pesquisa de moda.

Assim, com um direcionamento mais apurado, a pesquisa em si e os próximos passos se desenrolam melhor.

2 – Calendário: Decida quando ir

As consultoras lembram que a escolha do período em que a viagem de pesquisa de moda será feita é muito importante. Isso porque ele varia de acordo com o segmento em questão e de acordo com o tempo de desenvolvimento de cada empresa.

2 – Calendário: Decida quando ir

Assim, o ideal é fazer um cronograma reverso para encontrar o melhor período. Uma boa ideia é atentar para feriados locais, festas, feiras e eventos em geral.

3 – Onde ir: pesquise o melhor lugar para o objetivo de sua viagem

Existem lugares que são referência em pesquisa de moda e que sempre podem dar muito certo, como Nova York, Londres, Paris e Barcelona, por exemplo.

Porém, é importante avaliar qual o objetivo da pesquisa de moda e também qual o segmento, para só então diagnosticar qual a melhor cidade. Segundo elas, a verdade é que não existe uma resposta pronta que valha para todo mundo.

3 – Onde ir: pesquise o melhor lugar para o objetivo de sua viagem

A dica, então, é pesquisar. Procure conhecer um pouco mais profundamente os hábitos de vestir dos habitantes, como encaram a moda no dia a dia, como ela reflete seu modo de viver, etc. Ficam as dicas:

  • Paris

Tudo na cidade é voltado para o certo, para o atrativo, com vitrines inspiradoras. Para o parisiense, vestir-se bem faz parte da qualidade de vida, por isso levam a moda tão a sério.

São sisudos, mas não mal-educados. Por isso, quando estiver lá, não esqueça que as palavrinhas mágicas “bom dia” (bonjour) e “por favor” (s’il vous plait) são tão importantes quanto aqui no Brasil.

  • Barcelona

Barcelona tem meio que um espírito carioca, por assim dizer. A moda é tropical, vibrante, alegre e uma das coisas bacanas de lá é ter muitas lojas de marcas locais exclusivas, com feeling diferente para fazer uma ótima pesquisa de moda.

Há ainda muitas lojas de rua, com marcas menores, e muitos shoppings. O perfil do consumidor catalão é bem parecido com o nosso.

  • Milão

Aqui a moda também é levada a sério, mas com uma pegada mais leve. O milanês se veste bem, mas de uma forma mais sensual e despojada.

Por outro lado, a moda é levada realmente como um negócio, com lojas em todos os lugares. Nas lojas de rua você encontra os produtos mais comerciais que você vê de forma conceitual no Quadrilátero d’Oro.

  • Londres

Em Londres os estilos são misturados com maestria pela população, principalmente o grunge e punk.

A cidade, moderna e vibrante, é ótima para expandir as ideias na sua pesquisa de moda, com lojas de visual ousado e exposições um tanto quanto inusitadas.

Aqui sua pesquisa vai explodir em produtividade. Especial atenção para as lojas de departamento, onde há verdadeiras concentrações de toques inspiradores.

4 – Planejamento: como fazer sua viagem de pesquisa de moda

Depois de definido o objetivo, quando e onde ir, é necessário um planejamento detalhado. As consultoras alertam que ele é de suma importância para otimizar o tempo da pesquisa de moda – e não se pode fazer isso já estando lá.

4 - Planejamento: como fazer sua viagem de pesquisa de moda

Veja o que definir nessa etapa:

  • Roteiro: Essa parte é fundamental. Deve-se pesquisar os locais a serem visitados antes (lojas, eventos, exposições, museus etc) e fazer um roteiro em cima disso, com uma agenda de onde ir e o que fazer para cada dia;

Dica: Otimize o roteiro de acordo com as regiões para não perder muito tempo com deslocamento.

  • Estude o local: Pesquise sobre o funcionamento do metrô, formas de deslocamento e demais dicas necessárias para entender a dinâmica do lugar;
  • Duração da viagem: Varia de acordo com o que será pesquisado;
  • Não fique perdido: Baixe o mapa offline das regiões visitadas.

5 – Preparação: não esqueça dos detalhes básicos

Pode até parecer básico, mas muitas pessoas acabam não prestando atenção a cuidados práticos para as viagens. Veja alguns dos mais importantes:

5 - Preparação: não esqueça dos detalhes básicos

  • Não esqueça o carregador portátil de celular para não deixar de fotografar porque a bateria acabou. Certifique-se de ter uma boa capacidade de armazenamento. A nuvem é uma ótima pedida, mas não corra o risco de ficar sem sinal. Providencie cartões e os descarregue quando chegar ao hotel, aí sim, na nuvem;
  • Confira a validade do seu passaporte antes de comprar as passagens. Alguns países da Europa exigem um passaporte com validade de 6 meses;
  • Alguns lugares aceitam apenas pagamentos em cash. Por isso, leve uma quantia de dinheiro em espécie e outra em cartão internacional;
  • Mesmo em tempos digitais, imprima as suas reservas para apresentar na alfândega, caso seja necessário;
  • Leve roupas e sapatos confortáveis, já que é preciso andar bastante;
  • Sempre faça seguro de viagem.

Veja 3 dicas extras para se preparar ainda mais para sua viagem de pesquisa em moda

Como toda viagem, a de pesquisa em moda também é cheia de detalhes, por isso quanto mais dicas, melhor. Veja essas 3 dicas extras que a Haco separou para aproveitar ainda mais todas as oportunidades:

Organize sua mala sem excessos

Em uma viagem de pesquisa de moda, com certeza você vai voltar com várias peças. Então nada de excessos na sua mala. Pense no clima, nos dias que ficará fora e monte looks completos e versáteis. Lembre-se que não há nada demais em repetir peças, principalmente as da parte de baixo.

Faça uma lista do que é essencial: roupas íntimas, de dormir, para o dia e para a noite (looks completos), roupa de banho (se for o caso). Inclua os itens de higiene pessoal, maquiagem, medicamentos e acessórios em geral.

O que observar durante a viagem

Como profissional ou estudante de moda você sabe que tendência é aquilo que se manifesta com mais frequência e em um número cada vez maior de pessoas. No entanto, quando está no início, esse movimento pode não ser tão facilmente perceptível.

A moda reflete momentos sociais, políticos e econômicos, em qualquer parte do mundo. Inconscientemente ou não, às pessoas tendem a buscar elementos, cores, acessórios, texturas e estampas, por exemplo, que expressem de alguma forma esses momentos.

Procure captar quais os elementos que mais se repetem pelas ruas e também nas vitrines e o uso que está sendo feito deles. Nas lojas, observe por marcas.

Não deixe também de fazer comparações entre as lojas conceituais — aquelas que servem de inspiração — e as comerciais, que efetivamente visam o consumo, vestem a população daquela cidade.

A observação aguçada e uma leitura sólida e real do que vê é o que faz uma boa pesquisa de moda. Não esqueça de anotar suas impressões. O gravador do celular é um bom local para guardar suas ideias.

Busque excursões e especialistas em pesquisa de moda

Quem tem uma empresa de moda sabe como pode ser difícil se ausentar do negócio. Não é por isso que você não terá uma pesquisa de moda exclusiva e totalmente assertiva para a sua coleção.

A Loupe Brands & Co atua no mercado de mentoria e consultoria em pesquisa e branding para negócios de moda. Para quem quer manter marca, negócio e produtos atualizados, as especialistas desenvolvem pesquisas de moda coletando, cruzando e analisando informações macros dos principais drivers de mudanças no mundo.

Por outro lado, as excursões de pesquisa de moda já são uma modalidade consolidada. É possível encontrar roteiros que contemplam tanto as feiras internacionais quanto lugares super inspiradores espalhados pelo mundo.

A N.Marinho Moda é uma empresa especializada em excursões de pesquisa em moda. Geralmente os grupos são formados com cerca de 15 profissionais das áreas de moda e marketing. A empresa já está com roteiros prontos para o primeiro semestre do ano que vem.

Só para dar água na boca, entre os dias 16 e 18 de janeiro de 2020 a N.Marinho Moda já está formando grupos para um dos grandes eventos para pesquisa de moda: a feira Pitti Immagine Bimbo, em Fortezza da Basso, em Florença.

É uma ótima oportunidade para aproveitar e estender a pesquisa de moda não só pela cidade, mas também por Praga e Milão. Já para março, o destino é Hong Kong, passando antes por Londres e Barcelona.

Aproveite essas dicas e coloque em prática sua pesquisa de moda. Com o material colhido com certeza a sua nova coleção de moda vai ser um sucesso total no mercado.

Agora que você já sabe como fazer esse planejamento, aproveite e conheça os principais eventos de moda que acontecem no Brasil e inclua na sua programação!

Descubra tudo sobre as tendências de moda pré-verão para 2020

Descubra tudo sobre as tendências de moda pré-verão para 2020

Estilo, inovação, personalidade. Por mais que cada coleção seja única, são as tendências de moda as maiores geradoras de ideias criativas. E já é hora de pensar no que vai rolar no pré-verão 2020.

Como um círculo vicioso entre criador e criatura, as tendências de moda pautam todo o planejamento para a próxima estação. E estas, por sua vez, criam e espelham as principais escolhas das ruas.

Mas é quando se tem acesso a análises transformadoras que o leque de oportunidades que se abre para o estilista reflete um conhecimento profundo do mercado.

Por isso as tendências de moda que procuramos para vocês são todas baseadas nas últimas inspirações da WGSN, um dos maiores portais para estilistas de todo o mundo.

Veja agora o que está por vir na moda pré-verão 2020 e inspire-se para causar e surpreender na próxima estação.

Cores suaves e looks monocromáticos são tendências de moda

São duas as principais tendências de moda em cores para o pré-verão 2020 feminino. Uma delas aponta para a sofisticação dos tons neutros e pasteis.

A outra foge das cores intensas de outras temporadas, ainda que saliente os tons fortes – embora suaves. Em ambas, o toque de calma e elegância está presente, assim como os looks monocromáticos.

Cores suaves e looks monocromáticos são tendências de moda Cores suaves e looks monocromáticos são tendências de moda Cores suaves e looks monocromáticos são tendências de moda

A tendência de moda é reforçar a ideia dos looks básicos e confortáveis, a simplicidade do luxo. Nesse universo, ganham destaque:

  • Azul – Em toda sua variedade, com especial destaque para o azul-purista em praticamente todos os estilos; e o azul digital, em uma visão futurista;
  • Lima fluorescente – Dando um toque de jovial vitalidade especialmente no visual monocromático e em peças de meia-malha e malha fina de tricô;
  • Rosa – Mais puxado para o azul do que para o vermelho (rosa-pálido, cerejeira), em peças casuais e de alfaiataria;
  • Vermelho – Saturado, puxado para o marrom, também em contrastes chamativos no sportwear;
  • Laranja-nítido – Na monocromia ou no contraste forte, como com preto, índigo ou chumbo;
  • Preto – Principalmente na monocromia e na combinação com o off-white;
  • Lilás adocicado e roxos – Em acessórios e peças clássicas;
  • Neutros – Marrons, beges e tons terrosos.

Estampas e grafismos na moda feminina

Minimalismo e conforto, sim, mas também individualidade. As tendências de moda do pré-verão 2020 mostram um movimento contrário à saturação do streetwear, com um movimento retrô à feminilidade. A vibe romântica e vintage toma conta das estampas e grafismos.

Estampas e grafismos na moda feminina Estampas e grafismos na moda feminina Estampas e grafismos na moda feminina

  • A estampa safári está em alta, mas vai além do animal print combinando com muitas folhas e paisagens, se desenvolvendo em uma espécie de invasão no toile de jouy. Valem várias estampas de animais em um mesmo look;
  • Transparências e estampas florais delicadas, especialmente as que lembram fantasias. Os florais de jardim substituem os tropicais;
  • Estampas retrô ganham força em recriações em zigue-zague, desenhos geométricos e flores;
  • Tiedye mais discretos, simples e localizados, principalmente em vermelho, branco e azul;
  • Babados e detalhes campestres na moda Boho dão um toque folclórico às coleções;
  • Lenços e listras substituem a estampa xadrez.

Padronagens e pontos de malhas femininas nas tendências de moda

As tendências de moda apontam para tricôs texturizados e malhas com pegada artesanal. No estilo retrô em alta, os tons neutros valorizam as estampas tradicionais.

No destaque do pré-verão 20, a marinheira moderna é mais enxuta. O destaque vai para o tricô, malhas artesanais, e mix de patchwork e crochê, que mantêm o foco no modern mariner refinado. Leveza e simplicidade dão o tom do estilo.

O animal print aparece em grande escala e tons pastéis, com ênfase na zebra. A sofisticação das listras é atualizada com cores contrastantes.

Padronagens e pontos de malhas femininas nas tendências de moda Padronagens e pontos de malhas femininas nas tendências de moda  Padronagens e pontos de malhas femininas nas tendências de moda

Itens básicos, como suéteres, ganham estrutura e relevo com canelados e pontos-trança estratégicos, sempre mantendo o toque minimalista.

Aplicações de letras também ganham destaque entre as tendências de moda da temporada.

Blusas de tecido são marcadas pela elegância e versatilidade

Peças tradicionais ganham novos itens no pré-verão 2020. As tendências de moda mantêm a elegância, versatilidade e funcionalidade nas blusas de tecido, que conversam bem com looks sofisticados ou casuais.

As blusas volumosas e esculturais dão lugar ao corte discreto e refinado, em algodão natural ou reciclado e linho. Opte por tecidos macios que dão conforto e com caimento evasê.

Entre os destaques estão gola laço, babados combinados com hiper decotes, detalhes segmentados, amarrações e mangas folgadas.

Blusas de tecido são marcadas pela elegância e versatilidade Blusas de tecido são marcadas pela elegância e versatilidade Blusas de tecido são marcadas pela elegância e versatilidade

Bustiês bem super femininos e detalhados se integram às peças sedosas e camisa de algodão folgada. Todo o volume deve ser realçado de forma minimalista.

Exceção para as mangas bufantes, que contrastam com hiper decotes nas costas e aceitam bem estampas ousadas e vibrantes para dar um toque maximalista.

Ao lado dos conjuntos, o look férias ganha destaque.

Malhas: silhueta em transição

As tendências de moda para as malhas mostram uma silhueta em transição. Gola alta, rolê ou careca, shape acinturado, ombros marcados, mangas com volume. É a era da extravagância delicada.

O vestido de verão reto e simples aparece apenas aumentando o cumprimento e mantendo a silhueta ajustada. No entanto, em tempos de transição ainda vale apostar nas malhas grandes e folgadas, com gola careca, canoa ou rolê.

Malhas: silhueta em transição Malhas: silhueta em transiçãoMalhas: silhueta em transição

Nas estampas, os grafismos estão em alta, assim como as listras náuticas, o ponto trançado e o jacquard. Cardigãs justos e curtos reaparecem ao lado dos grossos e compridos, assim como a malha polo e o suéter gola V folgado.

Peças de malha: elementos-chave para o pré-verão 20

Muito além de meras tendências de moda, as peças de malha são essenciais para a composição de looks de meia-estação. O ideal, aqui, é apostar em itens mais atemporais.

Para isso, inove em peças básicas, como detalhes na modelagem e nas mangas de camisetas brancas, e contornos nas mangas longas. Crie movimento em camisetas assimétricas ou drapeadas, por exemplo.

Peças de malha: elementos-chave para o pré-verão 20 Peças de malha: elementos-chave para o pré-verão 20 Peças de malha: elementos-chave para o pré-verão 20

Se quiser apostar em estampas, prefira as gráficas para camisetas básicas e blusas bem leves. O importante é ter elementos de sobra para investir em muitas combinações.

Simplicidade ousada nos detalhes e acabamentos

A inovação surge da repaginação de detalhes e acabamentos comuns. As tendências de moda mostram o resgate da feminilidade através de amarração frontal, babados e recortes vazados. Botões em toda a extensão das peças criam detalhes no design minimalista.

Menos é mais – menos nas roupas de festa. Essas surgem com o toque romântico das plumas, que dão um ar de excentricidade.

No dia a dia, franjas e barbicachos dão mais profundidade às peças bem urbanas. Já o patchwork ganha repaginação contemporânea.

Saias: midi segue como o comprimento mais comercial

As tendências de moda em saias mostram uma demanda cada vez maior por modelos que se adaptem à maioria das ocasiões. Com isso, os mais simples ganham destaque, assim como o comprimento midi se mantém como o mais comercial.

A ideia é investir em peças que possam compor looks que passeiam da manhã à noite. Vale a pena aproveitar as saias de plissê e as de evasê simples, que têm boa saída. Elas devem ser destaque na coleção de peças básicas.

Saias: midi segue como o comprimento mais comercial Saias: midi segue como o comprimento mais comercialSaias: midi segue como o comprimento mais comercial

Bolsos grandes chapados e acabamentos funcionais como fendas, trespassados e cintos alongados no mesmo material estão entre as inovações que merecem destaque.

Já para os fashionistas, vale a pena testar pequenas quantidades de saias longas, evasês e rodadas. E as midi chegam com visual retrô, botões e drapeados.

Vestidos: quando lazer e trabalho se confundem

Peças fáceis de usar, confortáveis e que versáteis. Nas tendências de moda para o pré-verão 2020, os vestidos devem atender tanto ao trabalho quanto o lazer.

Assim como nas saias, o midi se mantém firme na dianteira dos comprimentos, seja no estilo Boho seja nos mais volumosos.

Apesar de os modelos largos e folgados também se mantêm em alta, aumentam as silhuetas ajustadas, os shapes acinturados mais femininos e os drapeados, principalmente na alfaiataria e nos vestidos de festa.

No minivestido, as modelagens hiper soltas e volumosas trazem apelo comercial, em corte reto ou trapézio e cores vibrantes.

Vestidos: quando lazer e trabalho se confundemVestidos: quando lazer e trabalho se confundemVestidos: quando lazer e trabalho se confundem

Por outro lado, os detalhes artesanais revigoram peças de inspiração folclórica, assim como os babados e os vestidos campestres.

Outros que aparecem com destaque entre as tendências de moda da temporada são: o vestido-camisa, vestido-combinação usado com blusinha por baixo, vestido-túnica e os justinhos.

Ternos de verão: modelos folgados são a novidade

Modelagens mais generosas e folgadas são a novidade, mas há muito mais coisas novas a serem oferecidas na temporada. Vale dar ênfase nos modelos que enfatizam as curvas e a feminilidade.

Assim, o terno com cinto é alternativo à peça estruturada, conjuntos justos transitam bem de uma estação para outra, inclusive os com saia longa, que valorizam o corpo.

Túnicas sobre calças, peças longas sobrepostas, estampas e padronagens são grandes tendências de moda para o pré-verão 20. Outra opção para a temporada é o terno com bermuda, com modelagem justa pouco acima do joelho.

Ternos de verão: modelos folgados são a novidade Ternos de verão: modelos folgados são a novidade Ternos de verão: modelos folgados são a novidade

Nas saias mais longas, como as midi, não esqueça de equilibrar a silhueta com painéis, cintos e botões. Já no terno de abotoamento duplo na jaqueta longa e calça larga, a pegada mais descontraída promete fazer sucesso.

Mas não esqueça dos detalhes: referências utilitárias, bordas contrastantes e detalhes de amarrar também devem aparecer em ternos e conjuntos.

Conclusão

Todas essas dicas foram baseadas nas últimas inspirações da WGSN e refletem as principais tendências de moda das passarelas, feiras e moda das ruas.

Agregue ainda mais valor para suas coleções com as etiquetas exclusivas que só a Haco oferece com toda qualidade e modernidade. Clique aqui e descubra!

 

RFID da Haco participa do evento Latam Retail Show em São Paulo

RFID da Haco participa do evento Latam Retail Show em São Paulo

A Haco participa do Latam Retail Show, um dos maiores eventos destinados ao varejo brasileiro. O encontro acontece de 27 a 29/08, em São Paulo, e reunirá conteúdo de relevância estratégica, como as transformações digitais, comportamentais e econômicas pelas quais o mercado e a forma de consumir estão passando.  A Haco divulgará a tecnologia RFID, um sistema de etiquetas tecnológicas que melhora a logística, inibe a falsificação de produtos e proporciona melhores experiências ao cliente.

Este ano o evento na capital paulista terá como tema principal ‘A transformação virtuosa do mercado e consumo: última chamada’ e tem como objetivo abordar todas as transformações pelas quais o mercado e a forma de consumir vêm passando.

RFID da Haco participa do evento Latam Retail Show em São Paulo

O maior exemplo desta velocidade é a China, e este será um dos diversos pontos abordados no Congresso: entender esta urgência e como estas mudanças refletem no mercado brasileiro.

Haco divulgará tecnologia RFID

O stand do RFID proporcionará experiências únicas e diferenciadas aos participantes, de modo que possam vivenciar as facilidades que a tecnologias pode agregar. A tecnologia RFID garante um melhor serviço ao consumidor, precisão de praticamente 100% no controle do estoque e um aumento de receita devido ao corte de desperdícios e furtos.

– Saiba mais sobre a tecnologia RFID;

Evento debate futuro do mercado

Para esta edição de 2019 o LATAM Retail Show abordará palestras e painéis exclusivos com os principais líderes do mercado como as transformações afetam todo o ecossistema de negócios: indústrias, varejistas, shopping centers, franquias, colaboradores, fornecedores, parceiros, investidores até chegar ao cliente final.

Serão três dias de palestras com conteúdo intenso com mais de 250 palestrantes renomados aprofundando como a transformação afeta todos os pilares do varejo.

Serviço

O quê: Latam Retail Show

Quando: 27 a 29 de agosto, das 10h às 20h

Onde: Expo Center Norte, rua José Bernardo Pinto, 333, Vila Guilherme, São Paulo

Inscrições: https://latamretailshow.com.br/

Conheça os eventos de moda que acontecem no Brasil

Conheça os eventos de moda que acontecem no Brasil

Não importa em qual segmento do mundo fashion você trabalhe, acompanhar os eventos de moda que rolam pelo Brasil é fundamental. Mais do que apresentar tendências, eles são um verdadeiro termômetro da sociedade, um reflexo do que está acontecendo – e do que está por vir.

Além disso, há toda a parte tecnológica, claro, onde são apresentadas as últimas novidades do mercado. Isso sem falar na genialidade criativa e surpreendente de alguns designers de moda e do networking. Afinal, cada evento é uma oportunidade incrível de travar novos conhecimentos, parcerias e amizades.

Veja os eventos de moda que acontecem no Brasil e programe-se.

Principais eventos de moda no Brasil

  1. São Paulo Fashion Week (São Paulo – SP)

Maior evento de moda do país, o mais importante da América Latina e o quinto maior do mundo, o São Paulo Fashion Week é um acontecimento obrigatório para quem vive da moda.

Principais eventos de moda no Brasil: São Paulo Fashion Week

Criado em 1966, hoje seu maior diferencial é a aproximação com o comércio varejista. Disputadíssimo, o evento conta com a participação de estilistas famosos mundialmente, como Alexandre Herchcovitch, parceiro da Haco, e Reinaldo Lourenço.

O evento é ainda o responsável pelo lançamento de modelos como Gisele Bündchen, Isabeli Fontana e Lucas Mascarini.

O São Paulo Fashion Week acontece duas vezes por ano: entre março e abril para as coleções primavera/verão e entre outubro e novembro para as coleções outono/inverno.

  1. DFB – Dragão Fashion Brasil  – (Fortaleza – CE)

O DFB – Dragão Fashion Brasil acaba de completar 20 anos em 2019. Criado por Claudio e Elena Silveira, o acontecimento anual geralmente acontece em maio e é hoje a maior fashion week autoral da América Latina.

Principais eventos de moda no Brasil: DFB - Dragão Fashion Brasil

Tendo como base os maiores nomes da moda nordestina, este ano o evento contou com designers como David Lee, Lindebergue Fernandes, Almerinda Maria, Melk Z-Da, Wagner Kallieno, Jeferson Ribeiro, Ronaldo Silvestre, Kallil Nepomuceno, Rendá por Camila Arraes e D’Aura.

Nos últimos anos o evento de moda tem investido pesado no beachwear, seguindo o conceito, segundo Claudio Silveira, de que para o cearense a praia é mais do que um acaso geográfico, mas uma definidora da vocação de empreendedorismo e inovação do povo.

O evento mantém ainda uma tradição, o Concurso dos Novos, que reúne estudantes de faculdades do Ceará, Pará, Paraná, Piaui, Rio de Janeiro e São Paulo.

  1. Inspira+ (São Paulo – SP)

Para quem está em busca de novidades nos eventos de moda, o Inspira+ não pode faltar. O único salão de design e inovação de materiais da América Latina lança a cada semestre mais de mil materiais desenvolvidos pelos participantes do evento.

O evento acontece em dois dias em São Paulo para empresários dos segmentos calçadista, confecção e moveleiro, além de estilistas, designers e formadores de opinião.

Principais eventos de moda no Brasil: Inspira+

Este ano o evento, que aconteceu no início de julho, contou com mais de 180 expositores de todo o país com soluções em tecidos, acessórios, solados, laminados, couros, muito mais para os setores de moda e mobiliário.

  1. Casa de Criadores (São Paulo – SP)

A Casa dos Criadores é um dos principais eventos de moda autoral que acontece duas vezes por ano em São Paulo – geralmente em julho/agosto e novembro/dezembro.

Considerado o maior acontecimento lançador de novos estilistas da moda brasileira, a Casa de Criadores surgiu em 1997 com foco na criação autoral genuína e a revelação de novos talentos.

A Haco esteve presente em várias edições sempre apoiando os novos estilistas, como Igor Dadona, Ben e Diego Malicheski da marca Rocio Canvas.

Principais eventos de moda no Brasil: Casa de Criadores

Hoje o movimento incorpora estilistas e criadores de todos os estados, nos mais variados estágios da carreira. Marcelo Sommer, Cavalera, Ronaldo Fraga, Marcelo Quadros, Carlota Joaquina, André Lima, Karlla Girotto, Mário Queiroz, V.Rom e Lorenzo Merlino são alguns dos nomes lançados pela Cassa de Criadores.

A 45ª edição da Casa de Criadores aconteceu de 3 a 8 de julho de 2019.

  1. Denim Meeting

O Denim Meeting acontece em cidades brasileiras consideradas os principais polos da indústria denim, como Balneário Camboriú (SC), São Paulo (SP), Maringá (PR), Goiânia (GO) e Caruaru (PE).

Referência no mercado jeanswear, o Denim Meeting é um dos eventos de moda que não podem faltar no calendário de quem quer ficar alinhado com as principais tendências. Foi no Denim Meeting que a Haco fez o lançamento do seu Book de produtos 2019.

Principais eventos de moda no Brasil: Denim Meeting

Principal encontro dos protagonistas da indústria têxtil, o evento reúne exposição, palestras, entrevistas, workshops e talkshows para sintonizar tendências nacionais e internacionais ao contexto de cada região. A próxima edição acontece no dia 7 de agosto, em Maringá.

  1. Moda Rio Moda (Rio de Janeiro – RJ)

Considerado um dos eventos de moda mais importantes do país, Rio Moda Rio chegou em 2016 em substituição à Rio Fashion Week, mas o primeiro desfile, que seria em 2017, acabou sendo adiado e só aconteceu em janeiro de 2018, no Píer Mauá.

Principais eventos de moda no Brasil: Moda Rio Moda

A nova formatação apresenta grifes nacionais, mas é também voltada a outras formas de cultura, como a gastronomia e a música. A ideia é manter o espírito carioca com bastante referências cotidianas na passarela, mas sempre com muito luxo e glamour.

  1. ID Fashion (Curitiba – PR)

Com sua quarta edição em setembro de 2018, o ID Fashion se consolida nos cenários dos melhores eventos de moda. O encontro reúne marcas tradicionais e já tradicionais no mercado ao lado de novos nomes do cenário da moda.

Principais eventos de moda no Brasil: ID Fashion

Confira aqui o desfile das marcas mais representativas do mercado conforme o site do ID Fashion:

  • Catwalk: Desfiles intimistas, com apresentações das coleções das marcas mais representativas e originais do mercado de moda paranaense, realizados em um ambiente lúdico e inspirador.
  • Living Lab & Store: Espaço de exposição interativa e comercialização das coleções das marcas participantes. Uma ação que proporciona aos empresários a oportunidade de relacionamento e feedback de consumidores, formadores de opinião e de especialistas do setor.
  • User Experience: Uma mostra para o grande público dos bastidores e dos processos por trás da indústria da moda, por meio de espaços de vivências e experimentações durante o evento. Alinhado ao tema, e por meio de parcerias, o User Experience desta 4ª edição traz um hackathon de moda, com o intuito de integrar novas tecnologias ao universo do vestuário (wearables) e do varejo de moda.
  • Id Talk: O ID Talk é um bate-papo interativo, mediado por especialistas, com a presença de personalidades e profissionais renomados da indústria da moda nacional. O objetivo é provocar reflexões sobre temas pertinentes ao setor e ao consumo contemporâneo.
  1. São Paulo Prêt à Porter (São Paulo – SP)

Mais um dos eventos de moda que já conquistaram reconhecimento internacional, o São Paulo Prêt à Porter é uma feira que tem como principal foco a criação de oportunidades de negócios para pequenas indústrias e confecções.

Principais eventos de moda no Brasil: São Paulo Prêt à Porter

Para isso, o evento aposta na integração de fornecedores, expositores e comerciantes mundiais, acontecendo 100% integrada à Couromoda, no Expo Center Norte. A próxima feira anual acontece de 13 a 15 de janeiro de 2020.

  1. Capital Fashion Week (Brasília – DF)

Criado em 2005, o Capital Fashion Week ocorre anualmente em Brasília, geralmente em dezembro. Como um dos maiores eventos de moda do país, tem como principal foco o lançamento nacional de jovens estilistas da região centro-oeste.

Principais eventos de moda no Brasil: Capital Fashion Week

Estes, por sua vez, são selecionados através do concurso Novos Talentos, com a orientação do estilista Jum Nakao e com desfiles patrocinados pelo CFW. O evento procura ainda a valorização das fábricas e confecções de joias, bolsas, sapatos, acessórios e artesanato em geral.

  1. Minas Trend (Belo Horizonte – MG)

O Minas Trend é um dos eventos de moda mais importantes do país, tornando-se referência em pré-lançamentos. Em abril de 2019, a 24ª edição apresentou as tendências para a primavera/verão 2020.

O principal foco do acontecimento é fomentar a moda mineira com base na inclusão e na sustentabilidade. Além dos desfiles, o evento conta com atrações culturais, gastronômicas, palestras e exposições.

Principais eventos de moda no Brasil: Minas Trend

Ao reunir no mesmo lugar expositores de vestuário, calçados, bolsas, joias e bijuterias o Minas Trend se torna um enorme salão de negócios para a indústria da moda.

  1. Festival do Jeans Toritama (Toritama – PE)

Em sua 18ª edição, o Festival do Jeans Toritama se consolida cada vez mais no calendário dos eventos de moda.

Sua última edição, de 2 a 4 de maio de 2019, reuniu 20 mil pessoas em torno das principais tendências outono-inverno de 60 marcas parceiras. No total foram quase 30 desfiles, 20 marcas em exposição em 55 stands e mais de uma dezena de shows musicais.

Principais eventos de moda no Brasil: Festival do Jeans Toritama

O maior encontro de moda de Pernambuco foi criado em 2001 pela Prefeitura para impulsionar a produção local. Hoje a cidade de Toritama responde por 16% da produção total do jeans nacional.

Além dos eventos de moda há várias formas de buscar inspiração para suas criações. Confira aqui 10 dicas de livros de moda que vão ajudar a ter uma visão mais global do mundo fashion!

Gestão ambiental: saiba o que fazer com os resíduos têxteis

Gestão ambiental: saiba o que fazer com os resíduos têxteis

A gestão ambiental de resíduos têxteis têm sido um dos maiores desafios enfrentados pelo setor. E não é para menos: o Brasil é o quarto maior parque produtivo do mundo, de acordo com os dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).

No entanto, várias iniciativas criativas têm mostrado que não só essa gestão ambiental é viável, como pode ser muito lucrativa.

O descarte correto dos resíduos têxteis vai além da educação ambiental, transformando-se em renda extra para a própria indústria e também diferenciais perante um público cada vez mais exigente por soluções sustentáveis.

Mas afinal, o que são os resíduos têxteis?

Toda sobra de produção ou restos que parecem não terem mais utilidade são resíduos têxteis – que não só devem ser descartados adequadamente como podem, sim, ser reaproveitados.

A questão é tão séria que há, inclusive, uma lei que determina o máximo de reaproveitamento, reciclagem e minimização dos resíduos têxteis a Lei 12.305/2010 – Política Nacional de Resíduos Sólidos.

A falta de gestão ambiental, portanto, seja por falta de informação ou pura negligência, pode ser responsabilizada criminalmente.

Por outro lado, a própria gestão ambiental dos resíduos têxteis traz vários benefícios para a indústria.

Um deles, por exemplo, é a geração de um desenvolvimento sustentável, identificando deficiências do processo produtivo que podem evitar custos desnecessários e desperdícios.

Da mesma forma, a coleta seletiva eficiente pode ajudar as indústrias têxteis a fazerem mais dinheiro.

Aparas e retalhos podem ser utilizados não só pela própria empresa, mas também em outras tipologias industriais, como a automobilística, fabricação de barbantes, mantas acústicas, produtos esportivos, artesanatos etc.

Apesar disso, a maioria acaba indo para o lixo comum, sobrecarregando os aterros sanitários.

De acordo com a Abit, estima-se que no mínimo sejam geradas 170 mil toneladas de resíduos têxteis por ano no país. O cálculo toma por base uma perda média de 10% do tecido no processo de corte para a confecção.

Desse total, ainda segundo a Associação, 40% são processados por empresas de reciclagem, mas a maioria, 60% (cerca de 100 mil toneladas) são descartados nos aterros sanitários.

Gestão ambiental deve fazer parte da cultura

A educação ambiental deve fazer parte da rotina das indústrias têxteis. Dados de 2016 da Inteligência de Mercado (Iemi) mostram que no mercado de vestuário brasileiro é o segundo maior empregador, atrás apenas da Indústria de Transformação.

No total, são mais de 23 mil indústrias gerando mais de 1,10 milhão de empregos diretos e cerca de 6 bilhões de peças produzidas.

Gestão ambiental deve fazer parte da cultura

Não fica difícil imaginar a quantidade de resíduos têxteis gerados. A gestão ambiental deve, portanto, atuar em diversas frentes. Uma delas é a adoção de medidas que reduzam a produção de retalhos.

Para isso, o primeiro passo é uma mudança de mentalidade. Cada retalho, na verdade, um dia foi comprado como matéria-prima, portanto aproveitá-los ao máximo possível é aumentar o retorno sobre investimento.

Essa redução do desperdício deve ser feita já no planejamento do corte, otimizando o aproveitamento dos tecidos e dos moldes. O ideal é que a perda não chegue a 10%.

Por outro lado, o reaproveitamento precisa ser bem planejado. Há vários tipos de resíduos têxteis que podem contaminar esses retalhos – aí sim tornando-os inúteis para o mercado comprador ou de difícil gestão ambiental. Separá-los e acondicioná-los da forma correta é fundamental.

Por fim, o próprio processo produtivo deve ser repensado de forma a abarcar novos produtos a partir desses retalhos.

Um exemplo de sucesso é o projeto Retrama, desenvolvido pela Fundação Hermann Hering, em Blumenau. Os resíduos têxteis da Hering que seriam jogados fora são transformados em bolsas, cachepôs, chaveiros, jogos americanos, aventais, vasos, etc. Os produtos são feitos de forma artesanal por costureiras aposentadas de cooperativas parceiras da Fundação.

Assim, retalhos tanto podem ser utilizados como detalhes dentro das novas coleções, para a confecção de outras peças ou ainda comercializados com ONGs de apoio a artesãos. Confira aqui mais detalhes sobre o Projeto Trama Afetiva, da Fundação Hermann Hering.

Indústrias têxteis dão bons exemplos de gestão ambiental

Ainda que sejam minoria, não faltam bons exemplos de gestão ambiental, assim como o da Hering. Veja alguns cases de sucesso.

Vicunha Têxtil: reaproveitamento de fios e orientação ao consumidor

A Vicunha Têxtil, por exemplo, segue um rigoroso Sistema de Gestão Ambiental (SGA) potencializando a utilização dos recursos naturais, reduzindo a geração de resíduos e garantindo o perfeito armazenamento e destinação responsáveis.

Para se ter uma ideia, a implantação de um de seus programas ambientais na unidade 1, produtora de índigo no Distrito Industrial de Maracanaú (CE), registrou um ganho médio de 890 mil metros de tecido ao ano.

Através de um processo otimizado, toneladas de fios que antes eram transformadas em estopa passaram a se tornar tecido de primeira qualidade.

Além de produtos alinhados com a proteção ambiental, os consumidores são também orientados a agir de forma sustentável. Todas as etiquetas dos produtos Vicunha, por exemplo, trazem instruções sobre o descarte correto dos resíduos têxteis.

Farm: upcycling com doação de retalhos para artesãs

A Farm está sempre falando sobre sustentabilidade com seus consumidores. No mês de aniversário as clientes VIP Adoro Farm recebem capas de almofadas feitas pelas artesãs do Toque de Mãos e produzidas com tecidos reaproveitados.

A solução de upcycling rende cerca de R$ 7 mil a mais para cada artesã. No total são 70 kg de retalhos doados mensalmente para o Toque de Mãos, da rede Asta. A parceria, que teve início em abril de 2018, já reaproveitou mais de 4 mil quilos de tecidos que iriam para o lixo.

No total a parceria abrange 28 grupos produtivos do Rio de Janeiro, que têm como compromisso retirar os sacos na data marcada, não utilizar os tecidos para a confecção de roupas e colocar a etiqueta da parceria em cada produto.

Altenburg: projeto Arte Social em parceria com a Prefeitura

Em Blumenau a fábrica de roupas de cama Altenburg criou o projeto Arte Social em parceria com a prefeitura local. Através da doação de retalhos para grupos produtivos assistidos pelo programa são confeccionadas almofadas com formatos de peixe, aplicações de fuxico e tirinhas de tecido.

O lucro com a venda é revertido para as comunidades carentes. Assim, 50% são destinados a entidades de Blumenau e os outros 50% às cidades em que os produtos são vendidos.

Brandili Têxtil: fios ecológicos a partir dos resíduos têxteis

A fabricante de roupas infantis Brandili tem cerca de 20 procedimentos e ações com foco na preservação ambiental e na redução do impacto no meio-ambiente. Uma das medidas é o reaproveitamento de resíduos têxteis para a fabricação de fios ecológicos.

O processo conta com empresas parceiras que colaboram para a transformação dos resíduos têxteis e garrafas PET em malhas de fios ecológicos. Como resultado, além da redução do impacto ambiental, houve geração de empregos para a fase de triagem e redução de cerca de R$ 15 mil mensais em custos com transporte e uso de aterros sanitários.

Hering: linha de produtos alternativos

A já citada Hering é um ótimo exemplo de boa gestão ambiental de resíduos têxteis e vai muito além da lojinha com produtos alternativos.

Em 2016 a Fundação Herman Hering criou o projeto Trama Afetiva, que orienta estudantes e profissionais para as práticas da chamada economia afetiva.

A primeira edição do projeto reuniu nomes como o de Alexandre Herchcovitch, parceiro da Haco, Marcelo Rosenbaum e Patrícia Centurion.

A experiência colaborativa que acontece sob a batuta do jornalista e diretor criativo Jackson Araujo gira em torno da reciclagem com foco em design, moda e empreendedorismo.

Na segunda edição, em 2018, o foco foi o reaproveitamento de malhas de algodão de estoques antigos e de resíduos têxteis gerados pela Cia. Hering.

Gestão ambiental deve fazer parte da cultura

Além de Alexandre Herchcovitch e Marcelo Rosenbaum, que repetiram a dobradinha, participou ainda a estilista Itiana Pasetti, co-fundadora da marca Revoada, que reutiliza câmaras de pneus e nylon de guarda-chuvas como matérias-primas para produzir bolsas, mochilas e carteiras.

No final de 2017 a Fundação Hermann Hering e a Trama Afetiva criaram uma startup de moda dentro da própria Hering para discutir a reutilização do resíduo têxtil.

Seis meses depois surgiu o projeto Folha, que lançou sua primeira coleção feita apenas com material já existente. Para os idealizadores, é um ganho duplo: mais geração de dinheiro e ganho de espaço.

Upcycling dentro do upcycling

Por outro lado, o setor de talharia da Hering repassa retalhos e sobras de tecidos tanto para os trameiros criarem novos produtos, quanto para as cooperativas parceiras que reproduzem os materiais desenvolvidos.

No entanto, essa mesma produção acaba gerando novos resíduos têxteis, micro sobras que já não têm possibilidade de uso. Entra em cena então uma nova parceria, dessa vez com a Eurofios.

A empresa recebe essas micro sobras, separa, seleciona e consegue reciclar ainda mais desfibrando tudo e criando novos fios. Hoje a empresa é a maior do Brasil na produção de barbantes ecológicos.

As cores, por sua vez, são sólidas e resultantes apenas da seleção dos resíduos têxteis, evitando a utilização de água e de tingimentos no processo de produção.

Gestão ambiental: menos desperdício, mais dinheiro, sustentabilidade e valor agregado

Qualquer investimento em gestão ambiental feita pelas indústrias têxteis está longe de ser um gasto, mas um ganho de diversas formas.

Havendo menos desperdício no corte e na modelagem, há a valorização da matéria-prima.

Dessa forma há redução dos resíduos têxteis, o que, por si só já gera redução nos gastos – com perdas, transporte e uso de aterros sanitários.

Gestão ambiental deve fazer parte da cultura

Assim é menor o impacto ambiental, mas também maior a economia da empresa.

Por outro lado, o reaproveitamento dos resíduos têxteis – seja em novos produtos, venda para outras empresas, ou doação para projetos sociais – gera renda que pode ser revestida em qualquer setor.

Ao se tornar um agente multiplicador de educação ambiental e atitudes sustentáveis, como através de informações de descarte responsável nas etiquetas, por exemplo, há geração de valor para o consumidor.

A gestão ambiental dos resíduos têxteis se torna um ciclo de benefícios praticamente inesgotáveis para as indústrias têxteis. Basta ter vontade.

Aproveite para conhecer as dicas de Alexandre Herchcovitch para agregar mais valor à sua coleção de moda e descubra como conquistar de vez seu público-alvo!

Dicas de como organizar um desfile de moda de sucesso

Dicas de como organizar um desfile de moda de sucesso

Nem é preciso dizer que organizar um desfile de moda não é uma tarefa fácil, não é mesmo? São muitos os detalhes, já que o evento envolve uma gama imensa de aspectos e profissionais que precisam estar muito bem alinhados para que tudo dê certo.

Conforme o tempo vai ficando escasso parece que é impossível fazer com que tudo saia de forma impecável. Por isso mesmo, é preciso começar a planejar o desfile de moda com bastante antecedência e organização.

Estilista e parceiro da Haco, Igor Dadona tem uma visão única sobre a organização de um desfile de moda e deu uns toques exclusivos para o seu evento destacar-se no mercado.

Confira agora 5 dicas exclusivas do nosso estilista Igor Dadona para organizar um desfile de moda e arrasar nas passarelas, nos bastidores, na imprensa, nas ruas…

Dica 1 – Coloque tudo do desfile de moda no papel

Você tem uma memória de elefante, não esquece nada? Vamos ser sinceros, às vezes os detalhes escapam, e eles podem ser importantes.

Por outro lado, não esqueça também que vai ter muita gente diferente trabalhando junto – e dando pitaco no seu desfile de moda de acordo com a área de cada um. Com isso, fica fácil perder o rumo inicial do seu projeto.

Por isso, a primeira dica exclusiva do estilista Igor Dadona não poderia ser mais direta: planeje tudo por escrito para transformar seus pensamentos em algo palpável.

Estilista Igor Dadona com matéria exclusiva na Haco

Vale bloco de papel, editor de texto digital, aplicativo para smartphone, qualquer coisa que reúna todo o seu planejamento, ideias e vontades de forma clara e organizada.

Assim fica muito mais fácil saber o que será possível fazer, o que já foi feito, o que deve ser descartado, etc. E também as novas ideias que vão surgindo dos seus colaboradores e que valem a pena serem aproveitadas.

Dica 2 – Defina a quantidade de looks que serão apresentados

Quando a coleção de moda está pronta, a vontade é de apresentar cada peça, certo? Mas será que o seu desfile de moda vai conseguir sustentar tudo isso?

E é aqui que entra a segunda dica exclusiva para a Haco do estilista Igor Dadona: pense em quantos looks você quer apresentar, porque isso pode desencadear uma série de fatores que influenciarão no seu desfile de moda.

Como exemplo, Dadona cita a quantidade de modelos que serão usadas, a quantidade de acessórios, o tempo do desfile, etc. Essas e muitas outras decisões que impactam diretamente o seu evento dependem dessa escolha.

Dica 3 – Tenha sempre uma equipe de suporte

Por mais que sejamos altamente capazes, muitas vezes não conseguimos dar conta de tudo sozinhos – ainda mais em um evento tão complexo quanto um desfile de moda.

Além disso, há vários percalços que podem aparecer pelo caminho, como um mal estar ou um incidente em família, por exemplo.

Por isso, a terceira dica exclusiva do estilista é justamente formar uma equipe para ajudar na organização do desfile, mesmo que seja com um mínimo de pessoas.

O parceiro da Haco lembra que saber delegar tarefas é essencial, até porque, por mais competentes que sejamos, ninguém sabe fazer tudo sozinho.

Contate um profissional de beleza, de stylist, um assistente para as provas de roupa, faça parcerias com empresas, artistas ou qualquer profissional que possa realmente acrescentar algo ao seu trabalho.

Segundo Igor Dadona, não devemos nunca esquecer que cada pessoa é boa em uma determinada força, então, tudo fica muito melhor se juntarmos forças.

Dica 4 – Tenha uma planilha de atividades ou um calendário

A essas alturas você já sabe que um desfile de moda é composto por uma grande quantidade de tópicos e providências diferentes. E, vamos ser sinceros: não é nada fácil organizar e coordenar tudo isso.

A não ser que você aproveite a quarta dica de Igor Dadona. O estilista recomenda que tudo seja organizado em uma planilha ou calendário, para que você não se perca em meio a tantas atividades diferentes. Afinal, tudo precisa ser providenciado a seu tempo, dentro de um cronograma lógico.

O parceiro da Haco cita alguns itens como exemplo:

  • Desenhar a coleção;
  • Escolher materiais;
  • Confecção das peças piloto;
  • Escolha dos profissionais que vão auxiliar no desfile;
  • Ideias de cabelo;
  • Maquiagem e acessórios;
  • Escolha de casting (modelos);
  • Escolha de trilha sonora;
  • Prova de roupas;
  • Dia do desfile.

Dica 5 – Manter a calma e a autoconfiança

Por fim, mas não menos importante, a quinta dica de Igor Dadona também é fundamental para o sucesso do seu desfile de moda: manter a calma e ter a confiança de que irá apresentar algo em que você acredita muito e trabalhou muito para realizar.

O estilista lembra que pode parecer clichê, mas é muito importante colocar toda energia positiva e se cercar de gente que lhe quer bem, principalmente no dia de desfile.

Além disso, ter pessoas por perto que possam ajudar no caso de eventuais problemas é algo imprescindível para organizar um desfile de sucesso!

Com certeza essas dicas exclusivas do estilista Igor Dadona vão ajudar muito você a realizar a melhor apresentação da sua coleção de moda!

Veja algumas dicas extras da Haco

Além das dicas exclusivas do nosso estilista Igor Dadona, separamos algumas outras que também podem ajudar bastante na organização de um desfile de moda de sucesso. Dá uma olhada:

  • Atenção à lista de convidados – Ela deve ser muito bem definida – e com antecedência. Cuidado para não deixar de lado editores de moda, blogueiros e digital influencers em geral, nem os compradores de lojas.
  • Saiba apresentar sua coleção – Não esqueça de apresentar o conceito da sua coleção de moda para que o público-alvo a compreenda melhor. Cite suas inspirações, os pensamentos que o levaram a fazer suas escolhas e tudo o ais que foi relevante no processo criativo. Ao conhecer as etapas há mais chances de identificação.
  • Faça um checklist – Toda semana faça um checklist com as tarefas que deveriam ter sido desenvolvidas naquele período. Cobre dos demais profissionais, adapte estratégias, reformule conceitos. Esse checklist deve andar de mãos dadas com a planilha sugerida por Igor Dadona.
  • Inove – Procure sempre agregar algo de novo no seu desfile de moda. Pode ser no casting, no cenário ou na forma de apresentação do desfile. Quando você sai do óbvio, faz o público repensar a moda e se questionar, são maiores as chances de conquistar a imprensa especializada.

Trend House #10 A décima edição da nossa revista Trend House traz um conteúdo exclusivo sobre a nova coleção de books Haco na Visão do Estilista Alexandre Herchcovitch. Acesse agora

Agora que você já tem super dicas para arrasar no seu desfile de moda, aproveite para conhecer 10 estilistas de moda nacionais e se inspirar em suas coleções!

10 dicas de livros de moda para se inspirar

10 dicas de livros de moda para se inspirar

Buscar inspiração em ideias bem-sucedidas é sempre importante para o enriquecimento profissional. Nas publicações sobre moda é possível compreender melhor os caminhos do passado que levaram a indústria ao patamar atual, mas também visualizar melhor as tendências que apontam para o futuro. Veja os 10 livros de moda que separamos e faça uma imersão nesse mundo repleto de soluções criativas, pluralidades e insights altamente inesperados.

1 – Moda com Propósito – Manifesto pela grande virada | André Carvalhal

A obra coletiva, que já está em sua quarta edição, é uma visão de André Carvalhal sobre uma nova era para a indústria da moda.

Moda com Propósito – Manifesto pela grande virada | André Carvalhal

O idealizador do projeto Malha e ex-marketing da Farm mostra como os conceitos de sustentabilidade, consciência social e comércio justo, por exemplo, podem dar um novo propósito à moda, passando bem longe da meta única do lucro desenfreado.

Assim, além de repensar o descarte como matéria-prima, o livro de moda sugere uma reflexão mais profunda do consumo e como viver com menos é mais.

2- Fashion marketing: Relação da moda com o mercado | Glória Kalil

Um dos livros de moda que não podem faltar para quem quer entender melhor a relação da moda com o mercado. De acordo com a autora, “a moda brasileira brilha muito, mas vende pouco”.

Compreender a situação da moda nacional e diagnosticar falhas e acertos do setor é fundamental para quem quer entrar de cabeça no mercado. As comparações entre o cenário brasileiro e o internacional são bastante lúcidas e importantes para a descoberta de novos caminhos.

3 – O Essencial – O que você precisa saber para viver com mais estilo | Constanza Pascolato

A moda passa, mas a elegância fica. A empresária e consultora de moda mostra o quanto é preciso conhecer a si mesmo e respeitar sua própria essência para construir um estilo próprio.

 O Essencial – O que você precisa saber para viver com mais estilo | Constanza Pascolato

Com dicas simples e práticas, esse é um daqueles livros de moda que todo mundo deve ler de tempos em tempos.

Constanza Pacolato dá dicas para compor looks hi-lo, visual para o trabalho e para a balada, truques para disfarçar pontos fracos, sapatos básicos que não podem faltar no armário. O livro mostra que a passarela é fonte, mas não é fim: use-a para criar seu estilo próprio, jamais para ser sua refém.

4 – Vintage Fashion: Collecting and Wearing Designer Classics | Zandra Rhodes

Esse livro de moda é um verdadeiro convite para um passeio cheio de estilo pelo século XX.

Cada capítulo começa com uma introdução histórica da era, com um overview dos principais estilistas e suas maiores influências – e termina com uma visão geral de todos os shapes, estilos e cores que definiram a época.

Ao final, o leitor tem um guia de compras com dicas sobre terceirização e cuidados com peças vintage originais, assim como um glossário de termos de moda e dos designers mais colecionáveis do século.

5 – Fashion Design – Manual do Estilista | Sue Jenkyn Jones

Essa versão revista e ampliada da primeira edição inglesa (2002) do “Fashion Design” que foi produzida para se tornar um dos livros de moda de consulta permanente, verdadeira referência no mundo fashion.

Fashion Design - Manual do Estilista | Sue Jenkyn Jones

Nele, você encontra do passo a passo para o desenvolvimento de uma coleção de moda até o funcionamento do comércio global, passando por glossários de corte e costura, tecidos e fibras, até calendários de eventos internacionais.

Uma visão panorâmica do desenvolvimento da moda para a profissionalização desde os anos 70, preenchendo uma verdadeira lacuna no mercado editorial do segmento.

6 – Dicionário de Termos de Moda | Diana Aflalo

Entre nossas dicas de livros de moda está esse dicionário com mais de 2 mil palavras usadas no setor e pela imprensa especializada. Detalhe: todos eles em inglês-português e português-inglês.

Ótima referência para estudantes e profissionais da área, os termos vêm divididos entre acessórios, termos de costuras, partes de roupas, etc.

7 – Life in Pattern | Orla Keily

Um dos livros de moda que não pode faltar na sua estante é o “Life in Pattern”, de uma das mais consagradas designers do Reino Unido e Irlanda. Na publicação, a autora enfatiza e explora o poder da decoração para transformar a forma como nos sentimos.

Life in Pattern | Orla Keily

Com a colaboração de fotógrafos, diretores cinematográficos e arquitetos o livro mostra todo o poder das cores e dos ornamentos presentes na nossa rotina diária.

Em especial, a publicação destaca os esboços para a marca Sterm, produzidos na década de 90, que se transformaram em padrões para produtos de canecas e vestidos, notebooks e veículos, além dos icônicos designs de Pera e Flor.

Através do acesso privilegiado aos arquivos da empresa é possível ter um insight privilegiado ao mundo da designer e seu processo criativo.

8 – Coco Chanel e Igor Stravinsky | Chris Greenhalgh

Esse é um daqueles livros de moda totalmente envolventes, que mostram o processo criativo de dois gênios que se transformam em algo mais quando a simbiose alcança outros níveis. Veja como Coco Chanel e Igor Strabinsky formaram uma parceria inesquecível na moda e no amor.

9 – Os Segredos Do Guarda-Roupa Europeu | Anuschka Rees

Aqui você vai conhecer a experiência de alguém que viveu o desafio de viver com muito menos espaço sem perder o estilo. Com isso, aprendeu a transformar o que já tem no guarda-roupa e mostra como ornar seus looks tão estilosos quanto os das capitais mais fashion do mundo.

Os Segredos Do Guarda-Roupa Europeu | Anuschka Rees

10 – Sociologia da Moda | Frederic Godart

A moda identifica, conglomera e rechaça. Veja o mundo fashion pelos olhos do sociólogo, que lê a moda como um fato social complexo que envolve todas as áreas da nossa convivência diária. Uma visão sociológica e abrangente, muito útil e interessante para quem pretende entrar no intrincado mundo fashion e suas implicações.

Seguindo a dica de leitura desses 10 livros de moda é possível ter uma visão ampla do setor, em todos os seus aspectos.

Pronto para agregar mais valor à sua coleção de moda? Então aproveite as dicas de Alexandre Herchcovitch e inspire-se!

Saiba tudo sobre as informações obrigatórias que as etiquetas de roupas devem constar

Saiba tudo sobre as informações obrigatórias que as etiquetas de roupas devem constar

Para melhorar cada vez mais a experiência de compra do consumidor e agregar valor aos produtos, as etiquetas devem trazer informações importantes.

Ficar atento ao conteúdo e clareza das informações é fundamental, assim como prover etiquetas capazes de armazenar todas elas de forma eficiente.

Hoje, segundo a lei, toda a cadeia produtiva é responsável pela reparação de qualquer dano causado ao consumidor – independentemente da existência de culpa.

Por outro lado, também é possível agregar valor aos produtos com etiquetas escolhidas de forma estratégica. Afinal, quanto mais bonita e agradável ao toque, menores as chaces de acabarem sendo  removidas pelo consumidor

Veja quais são essas informações e como escolher as melhores etiquetas para seus produtos.

Trend House #10 A décima edição da nossa revista Trend House traz um conteúdo exclusivo sobre a nova coleção de books Haco na Visão do Estilista Alexandre Herchcovitch. Acesse agora!

Confira o que as etiquetas devem informar

De acordo com o CDC, as etiquetas devem fornecer características, tributos incidentes, especificações de quantidade, composição, qualidade e ainda alertar sobre qualquer risco que cada produto pode representar.

No caso do produto têxtil especificamente, a etiqueta deve conter nome, razão social ou marca registrada do fabricante, país de origem, identificação fiscal do fabricante nacional ou CNPJ do importador, nome dos filamentos têxteis ou das fibras e a porcentagem em que aparecem no produto, indicação de tamanho e no mínimo cinco procedimentos para a conservação da peça, expressos através de texto ou símbolos conforme a Norma NM-ISO 3758:2013.

Atenção aos detalhes nas etiquetas

No caso da informação sobre nome, marca ou razão social, é importante saber que razão social ou a marca ou o nome só podem ser abreviados quando as empresas também forem registradas da mesma forma. Seria o caso, como exemplo, País Confec. Com e Ind. Ltda.

Atenção aos detalhes nas etiquetas

No entanto, outras informações, como o tamanho, forma societária (S/A, Ltda., por exemplo) e siglas de identificação fiscal (CNPJ) podem ser abreviados.

A lei determina ainda que todas essas informações não podem ter caracteres inferiores a 2mm. Por outro lado, todos os caracteres devem ter igual destaque.

Ou seja, não pode haver uma parte em letras maiúsculas e outra em minúsculas nem trechos em negrito ou itálico. Todas as informações precisam ter o mesmo tamanho e largura.

Símbolos também têm regras definidas

Além da determinação de que os símbolos estejam em conformidade com a Norma NM-ISO 3758:201, há outras regras que devem ser obedecidas.

A ordem em que os símbolos sobre os cuidados de conservação aparecem deve seguir um critério pré-estabelecido: lavagem, alvejamento, secagem, forma de passar e cuidado têxtil profissional.

Por outro lado, o espaço em que devem estar inseridos deve ser o de um quadrado imaginário de 16 mm², no mínimo. Os próprios símbolos, por sua vez, não podem ter menos que 4mm.

Cuidado com a descrição da composição

Também é preciso ter cuidado com a descrição da composição percentual. A lei determina que ela seja expressa sempre em ordem decrescente e em igual destaque.

Já para as peças que tiverem duas ou mais partes diferenciadas, essa composição deve ser indicada em separado. É o caso, por exemplo de peças com forro (tecido externo 100% algodão, forro 100% poliéster, por exemplo).

Por outro lado, a descrição das fibras ou filamentos também tem sua regrinha. Nunca use nomes comerciais, como Lycra ou Nylon, por que eles não são aceitos por lei. A determinação é que seja utilizada sempre a designação genérica.

Todas as informações constantes nas etiquetas devem ser expressas no idioma do país de consumo.

Agregue valor com etiquetas estratégicas

Essas determinações constam no CDC e na Lei 10.962/2004, regulamentada pelo Decreto 5.903. Ela regula as condições de oferta e a fixação de preços de bens e serviços para o consumidor e dispõe ainda sobre as práticas infracionais que atentam contra o direito básico do consumidor de obter informação adequada e clara sobre produtos e serviços, conforme previsto em outra lei, a 8.078/90.

No entanto, essas são apenas as informações básicas obrigatórias. Nada impede que você disponha também de outras informações. Todas elas, aliás, mesmo as regidas por lei, podem ser distribuídas em uma ou mais etiquetas.

Pegue por exemplo uma t-shirt. No centro da gola pode haver uma etiqueta com o tamanho e o nome da marca. Já na lateral outra etiqueta apresentam a composição, os cuidados de conservação, o CNPJ e o país de origem.

Quanto mais informações você levar ao consumidor, mais valor será agregado à peça. Assim, além das obrigatórias você pode colocar informações sobre o preço e o sistema de troca, por exemplo, ou o site e formas de contato e SAC. Assim até a quantidade de trocas poderá ser reduzida, aumentando a satisfação do cliente.

Etiquetas certas para cada produto também aumenta a satisfação do cliente

Além de serem uma identificação da marca, o próprio material com que as etiquetas são produzidas também agregam valor ao produto. Veja porquê:

  • Em cetim estampado – Toque e aspecto sofisticado, com informações em estampa de alta definição. Como é muito agradável em contato com a pele, dificilmente será cortada da roupa. Além disso, o cetim aceita tingimento de acordo com a identidade da marca.

  • Etiqueta laminada – Tem toque leve e muito macio, e, por ser transparente, tem o efeito da cor da peça, conferindo aspecto diferenciado.

Etiqueta laminada

  • Algodão estampado – Toque extremamente macio, mas de aspecto robusto, conversando muito bem com o segmento jeanswear. A estampa pode ser feita frente e verso.

Algodão estampado

  • Etiqueta em fio neon – Além ser tendência, o toque acetinado com fio neon, destacando a marca de forma criativa, para marcas que querem fugir das etiquetas internas tradicionais de cor branca.

Etiqueta em fio neon

  • Etiqueta emborrachada – Toque muito agradável e não absorve água, perfeita para o segmento Beach/Surfwear. Também pode ser desenvolvida no tom exato desejado, sem prender-se a uma cartela de cores pré-definida.

Etiqueta emborrachada

Agora que você já sabe tudo o que as etiquetas devem conter por lei e, como aproveitar para agregar valor aos seus produtos com elas, faça desse aviamento um diferencial da marca!

Quer saber mais sobre etiquetas e tudo o que elas podem fazer pelas suas peças? Continue acompanhando os posts da Haco e receba sempre as melhores dicas e as últimas novidades!

Conheça 10 estilistas de moda nacionais para se inspirar em suas coleções

Conheça 10 estilistas de moda nacionais para se inspirar em suas coleções

Na hora de montar a coleção de moda, é claro que todo mundo quer divulgar o seu estilo. No entanto, buscar inspiração nos principais nomes é fundamental não só para se inteirar das principais tendências, mas também para compreender o próprio comportamento do mercado. Por isso, vale a pena conhecer mais a fundo o trabalho de 10 estilistas de moda e marcas que são referências nacionais.

1 – À La Garçonne

As coleções de moda da À La Garçonne desde 2016 trazem o traço inconfundível de Alexandre Herchcovitch, um dos principais estilistas de moda do momento e também um grande parceiro da Haco.

Sempre pautado no conceito da marca criado pelo diretor criativo Fabio Souza – sustentabilidade e luxo com pegada vintage – o estilista de moda faz questão de criar diferenciais através dos aviamentos. Alexandre Herchcovitch é também o responsável pelo primeiro Book Haco 2019.

2 – Ahlma

Fundada por André Carvalhal, o foco na natureza é a principal característica da marca. Além de produções próprias, a Ahlma aposta na colaboração de estilistas de moda de todo o país para criações em tecidos reciclados, recuperados ou certificados – mas sempre livres de origem animal. Coleções pequenas, com matéria-prima limitada e 100% brasileiras.

3 – David Lee

Em apenas 4 anos de mercado, David Lee é um dos estilistas de moda que mais têm se destacado no país.

O cearense, que acaba de ser selecionado para um programa de 1 ano de mentoria em Londres (Internationl Fashion Showcase), trabalha a moda masculina a partir do conceito dos opostos.

Com isso, criou uma visão única que mescla a praticidade do militarismo à elegância da alfaiataria e ao dinamismo do sportwear, tendo o crochê como seu diferencial.

4 – Diego Fávaro

Urban style com muito conforto. Desde que despontou em 2014 na line up da Casa de Criadores, considerada a maior vitrine de moda do país, Diego Fávaro ganha cada vez mais espaço com seu conceito streetwear.

O estilista de moda empresta uma nova leitura a mini bags, pochetes, bonés, chokers, calçados e acessórios em geral. Um dos pontos altos da grife é a identificação de marca.

5 – Felipe Fanaia

O line up da Casa de Criadores revelou também, em 2012, o design de Felipe Fanaia. A exuberância de cores e brilhos, com identidade oversize nas peças streetwear, revela um urban look ousado e intenso, que logo se tornou referencial nos editoriais de moda.

6 – Iarocheski

Ir além, criar uma moda cada vez mais humanizada. Para Lui Iarocheski, economia criativa e sustentabilidade devem andar de mãos dadas para a produção de peças experimentais, de pegada handmade. Nada acadêmico, como ele mesmo se auto define.

O estilista de moda catarinense busca romper conceitos e criar coleções que fogem ao lugar comum com elegância e austeridade. Cós irregulares, cadarços, amarrações e acabamentos em geral são destaque em peças como calças irchsk, kilt, jaquetas, camisas e vestidos.

7 – Igor Dadona

Também estreante da Casa de Criadores, em 2013 a grife Igor Dadona surpreendeu o mercado com uma junção de streetstyle com alfaiataria, criando peças de beleza inesperada.

A marca própria, criada em 2012, logo chamou a atenção da mídia especializada, dentro e fora do Brasil. A modelagem e as silhuetas nada convencionais aliadas a elementos da moda feminina busca criar um novo conceito de moda ao homem moderno.

8 – Lucas Leão

Seguir padrões não é o objetivo de Lucas Leão. O estilista de moda busca materiais inusitados para compor verdadeiras colagens fashion para sua “Marca Outsider”, como se auto intitula.

O carioca, de 27 anos, lançou sua coleção de estreia na SPFW de 2018 mostrando uma marca alegre e surpreendente. A leitura colorida e divertida é cheia de pregas, tingimentos, volumes e assimetrias. No mundo de Lucas Leão, somos todos humanos, sem divisão de categorias.

9 – Ronaldo Fraga

O estilista natural de Belo Horizonte, acredita que a moda hoje é um meio de transformação. Em suas coleções ele traz uma mensagem, usando sua arte como forma de protesto para alguns temas relevantes da sociedade.

Fraga é muito famoso por levar a passarela temas fortes em suas coleções, pois para ele, a moda tem que possuir suspiro, ter um propósito e falar por si só.

Em 1996, estreou no Phytoervas Fashion, e escolheu como inspiração paixões próprias, como Eu Amo Coração de Galinha – metáfora em torno da identidade – que era estonteante, de tão criativo.

Fraga, hoje, é um dos mais importantes estilistas, principalmente por não possuir apego a tendências de vitrine, e também por compreender que a moda é como uma linguagem da cultura, que é usada para falar do seu tempo – sobre questões e sentimentos – e também sobre a infinidade de riquezas que existem no Brasil.

10 – Rocio Canvas

O conceito dessa marca feminina é a investigação da modelagem. Fundada em 2016 por Diego Malicheski, as coleções refletem tudo o que pode ser “pintado” a partir de uma roupa em branco na visão o estilista de moda.

A marca apresenta recortes inimagináveis de uma exploração infindável da arquitetura fashion. A proposta minimalista e vanguardista do curitibano garantiu a seleção de Diego para a Casa Cor, alavancando a carreira do estilista de moda.

Segundo Diego Malicheski, a inspiração para sua primeira coleção própria veio de sua própria mãe, dona Rocio, que ajuda a batizar a marca. Canvas, por outro lado, que é segundo nome da grife, significa “tela” em inglês.

Que tal saber mais sobre estilistas de moda e suas dicas para agregar valor aos produtos? Veja essas e outras ideias na revista Trend House.

Identificação de marca: veja o que rolou na revista Trend House da Haco 2019

Identificação de marca: veja o que rolou na revista Trend House da Haco 2019

Quem trabalha com moda sabe o quanto é importante ter uma marca solidamente identificada no mercado – assim como se manter informado com as últimas tendências da área. Por isso, a revista Trend House da Haco 2019, uma das maiores formadoras e divulgadoras de opinião do mundo fashion, caprichou ainda mais na sua 10ª edição.

Não dá para contar tudo, mas a gente resolveu fazer um apanhado dos assuntos principais só para dar um gostinho de quero mais. Por isso, se você sabe o peso que a identificação de marca tem no sucesso da sua coleção, com certeza vai querer se ligar no que vem por aí. Olha só o que rolou! 

Trend House dá dicas de criatividade: Fashion Thinking!

Nessa sessão a CEO e fundadora da Trendesett, Tamara Sbroglio, dá uma super dica para tornar seu produto ainda mais atraente e desejado sem romper com os padrões já estabelecidos da empresa: usar o Fashion Thinking.

O conceito inovador sugere adotar um modelo estratégico de negócios pelo olhar do designer de moda. Cheio de criatividade, o truque é pensar fora da caixinha para conseguir resultados surpreendentes – ainda de olho nas métricas de vendas.

Como conciliar isso tudo? É aí que entra a expertise de Tamara Sbroglio, que dá um verdadeiro passo a passo para chegar lá. Imperdível para quem sabe como é importante estar sempre se reinventando no mundo da moda.

Vendedor nato: Ciro Bottini compartilha seu talento

Criar é uma delícia, mas sem venda não tem negócio. Ciro Bottini, o mestre de vendas do canal Shoptime, conta com exclusividade para a Trend House como chegou ao ponto de maestria em vendas que tem hoje.

No artigo, Bottini conta um bocado da sua história, recheada de toques super bacanas e importantes para quem quer se destacar no setor – ou treinar uma equipe de vendas matadora.

Com mindset exemplar e muito intuição, Bottini mostra o seu “jeito de fazer as coisas” e dá dicas para lá de interessantes para vencer desafios.

Alexandre Herchcovitch imprime seu olhar no novo Book Haco

O Book Haco é um referencial quando o assunto é identificação de marca e o primeiro desse ano traz uma parceria incrível com o estilista Alexandre Herchcovitch. O mago fashion uniu seu olhar inovador à tecnologia Haco para criar materiais para identificação de marca cheios de estilo.

Dessa parceria de experts recheada de novas matérias-primas, tendências em conceitos e aplicações inspiradoras nasceram nove segmentos de identificação de moda: Premium, Alfaiataria, Denimwear, Activewear, Workwear, Footwear, Underwear, Swimwear e Kidswear.

Na Trend House 2019 você conhece uma prévia de cada uma delas, confere como rolou todo o processo criativo e ainda fica por dentro da opinião de Alexandre Herchcovitch sobre as principais tendências em materiais e etiquetas para roupas.

Top 10 Haco não poderia faltar na Trend House

O sucesso é feito de parcerias e apoios e a Haco faz questão de incentivar estilistas e marcas. A Trend House traz os Top 10 criativos que a empresa apoia, contando um pouquinho do universo de cada um.

Nessa seção você vai saber um pouco mais sobre À La Garçonne, Ahlma, David Lee, Diego Fávaro, Felipe Fanaia, Iarocheski, Igor Dadona, Lucas Leão, New Gobbi e Rocio Canvas.

#UniversoHaco: saiba mais sobre a empresa

A revista Trend House da Haco 2019 também traz um pouco sobre o universo Haco, sempre presente nas grandes feiras e eventos dos maiores centros de moda do mundo.

A seção mostra a atuação da Haco em mais de 40 países ao longo de mais de 90 anos de história, partindo de um parque industrial de 40 mil m².

Lá você sabe um pouco mais sobre a produtividade de 6 bilhões de etiquetas para roupas e a maior gama de acabamentos para diferenciar seus produtos e que fazem da empresa uma liderança reconhecida pelo mercado no segmento de etiquetas tecidas.

Hoje a Haco se orgulha de ser a única empresa do ramo, no Brasil, equipada para chegar à cor que você imagina.

Entre os diferenciais da Haco, está o RFID, um modo inteligente de controle e gerenciamento de informações através das etiquetas, impactando de forma positiva na gestão de estoques e na cadeia de suprimentos da indústria têxtil.

Assim, a Haco oferece vantagens exclusivas e competitivas que se traduzem em benefícios desde a indústria até o consumidor final.

Conheça integralmente o conteúdo da Trend House clicando aqui e comece a colecionar diferenciais para a sua identificação de marca!